Home Notícias Internacional Governo reduz em 99% acesso ao Ciência sem Fronteiras

Governo reduz em 99% acesso ao Ciência sem Fronteiras

7 min read
0

A redução das bolsas ofertadas para alunos de universidades públicas é um desfecho “cruel” da crise econômica no País, dizem cientistas

Sem a ajuda do Ministério da Educação (MEC), desde julho de 2016, as instituições de ensino federais e estaduais reduziram em até 99% o número de alunos enviados ao exterior até o ano passado.

Esse dado, na avaliação de especialistas, representa não só uma perda de experiência acadêmica para os estudantes, mas também um prejuízo para a formação científica no País.

Segundo reportagem de O Estado de S. Paulo, na Universidade Federal do ABC, em São Paulo, apenas três bolsas foram concedidas no ano passado, ante 551 em 2014, durante o governo Dilma Rousseff, – uma queda de 99,4% na concessão de bolsas pelo Ciência Sem Fronteiras.

“O governo tem tirado o pobre do orçamento sistematicamente e, agora, abre mão de investir na formação educação dos jovens brasileiros”
Senador Lindbergh Farias (PT-RJ), lider da bancada do PT no Senado

Para o vice-presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Carlos Roberto Cury, a redução das bolsas ofertadas para alunos de universidades públicas é um desfecho “cruel” da crise econômica no País.

“A ciência perdeu a circulação de cérebros, o compartilhamento de conhecimentos e descobertas que havia com os intercâmbios. Porque os alunos da graduação se tornarão os futuros pesquisadores, o prejuízo na formação deles impacta na ciência”, disse.

Sem recursos para custear sua estadia no exterior, a estudante de engenharia civil Sttefany Schiavone, 21, planejava fazer um intercâmbio por meio do Ciências sem Fronteiras quando ingressou na Escola Politécnica (Poli) da USP em 2015.

O fim do programa, no entanto, a fez desistir da ideia. “Meus pais não têm condições financeiras de bancar um intercâmbio. Então, ou era o Ciências Sem Fronteiras, ou não tinha outro jeito”, diz. Segundo a estudante, a faculdade até oferece convênio com universidades estrangeiras, mas a maioria exige investimento por parte do próprio aluno.

Para o líder do PT no Senado, Lindbergh Farias (PT-RJ), a decisão do governo mostra a falta de preocupação do governo Temer e de seus aliados com o futuro do País.

“Nós alertamos, dizemos que isso iria acontecer. Cortes estão acontecendo nas áreas vitais do Estado e o cidadão pobre e que tem sofrido com isso. O corte na educação superior esse ano foi de 32%: caiu de R$ 13 bilhões em 2015 para R$ 8,7 bilhões este ano. E ficará em R$ 5,9 bilhões no ano que vem. O governo tem tirado o pobre do orçamento sistematicamente e, agora, abre mão de investir na formação educação dos jovens brasileiros”, criticou.

O ano de 2017, primeiro de vigência da Emenda Constitucional 95, vem revelando quão danosa tem sido a política do teto de gastos implementada por Michel Temer.

Durante a tramitação da proposta (PEC 55), texto que congela os investimentos públicos pelos próximos 20 anos, os membros da base governista afirmaram categoricamente que áreas prioritárias como Educação e Saúde não passariam por redução de investimentos em virtude da nova regra.

Apesar das declarações do governo, o País tem visto o oposto. Na área da educação, por exemplo, a gestão de Michel Temer já encerrou o programa Ciência Sem Fronteiras e acabou prejudicando o sonho de milhares de jovens pelo País.

Carregar mais notícias
Carregar mais em Internacional

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Vejam também

A guerra e a verdade nas eleições 2018 no Brasil

No Brasil, o uso da Internet é regulado pela lei nº 12.965 que estabelece princípios, gara…