Dados: 94% dos brasileiros aceitam todos os cookies automaticamente

São Paulo, SP 30/3/2022 – O brasileiro ainda está se familiarizando e se habituando ao uso de dados, compreendendo a sua importância e conhecendo seus direitos.

As pessoas já possuem como um hábito o ato de aceitar os cookies de um site, seja por falta de conhecimento de como um cookie funciona, seja só para “tirar aquela imagem da frente” ou até mesmo por acreditarem que ele não vai funcionar se clicarem na opção de “não aceito” – o que depende. A pesquisa mostra o perfil do brasileiro frente a LGPD e a sua semelhança com a adaptação europeia.

Ao acessar um site, o correto, conforme a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), é aparecer a janela com um pedido de consentimento para o uso de dados, na qual o usuário poderá escolher quais informações quer compartilhar com a empresa. Porém, as pessoas já possuem como um hábito o ato de aceitar os cookies de um site, seja por falta de conhecimento de como um cookie funciona, seja só para “tirar aquela imagem da frente” ou até mesmo por acreditarem que ele não vai funcionar se clicarem na opção de “não aceito” – o que depende. 

Prova disso está em uma análise feita pela startup Wibson, especialista em privacidade dos usuários (e-privacy), com sites que utilizam seu banner de cookies. Foi verificado que 94% dos brasileiros aceitam todos os cookies dos sites que visitam de maneira automática. Somente 1% analisa e personaliza a autorização, enquanto que 5% rejeitam tudo. 

Para Rodrigo Irarrazaval, CEO da startup Wibson, o Brasil tem seguido os mesmos passos da União Europeia na implementação da LGPD:

“O brasileiro ainda está se familiarizando e se habituando ao uso de dados, compreendendo a sua importância e conhecendo seus direitos. Assim como aconteceu na Europa, o surgimento de uma Lei que protege os dados, tem incentivado os usuários a procurarem por mais informações sobre esse tema e sobre como ter mais controle daquilo que lhes pertence. É essa demanda que tem ajudado a moldar os novos comportamentos online. Mas ainda é preciso ter cuidado com o surgimento de fakenews”, comenta Irarrazaval.

Ele ainda completa que aqueles dados que são seus e a empresa possui,  como nome, sobrenome, email e interesses, podem e devem ser deletados. Com a LGPD as pessoas agora podem pedir a exclusão de seus dados e a empresa tem 15 dias para cumprir com essa solicitação. 

“Depois que as pessoas compartilham seus dados pessoais com a empresa, é direito delas pedir o acesso a eles, para entender qual dado seu aquela empresa armazena, ou solicitar a atualização, retificação, portabilidade e até mesmo que eles sejam apagados”, explica. No entanto, o CEO da startup Wibson salienta que nem todas as empresas fazem o que a pessoa solicita, pois, no mundo, somente 59% das companhias analisam estes pedidos chamados de DSR (data subject request, ou, em português, solicitação do titular dos dados).

Ainda assim, é possível perceber que Europa e Estados Unidos, comparado com a América Latina, responde cerca de duas vezes mais do que em termos de solicitação de dados. Isso significa que apenas 37,5% das empresas da América Latina apagam, atualizam ou retificam os dados de quem as pede. Enquanto na Europa e Estados Unidos essa taxa é de quase 80%.

Acredito que isso se deva muito ao fato de que na Europa a Lei de Proteção de Dados (GDPR) existe desde 2018. Então, a cultura de segurança de dados está mais enraizada na sociedade. As pessoas sabem que podem solicitar seus dados e cobram isso das empresas. Somado a isso, multas já foram aplicadas, o que reverbera no cumprimento da lei por parte das empresas”, explica. 

Irarrazaval diz ainda que, curiosamente, existem dois grandes motivos para as pessoas pedirem que seus dados sejam deletados: “O primeiro são aplicativos de relacionamento, como Tinder. Quando uma pessoa deixa de utilizar o aplicativo porque já encontrou um par, ou porque não quer utilizar mais o app, ela não quer que a empresa continue utilizando seus dados. Dessa forma, ela tem direito de solicitar a exclusão de seus dados. O segundo, quando existe alguma notícia sobre vazamento de dados em determinado setor”.

Para chegar a estes números, a Wibson analisou a solicitação de mais de 10 mil pessoas entre Brasil, Europa, Argentina e EUA, a mais de 30 mil empresas. 

* No Brasil a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) já está em vigor desde 2020 e todas as empresas que usam algum dado pessoal dos usuários devem se adequar. Embora seja algo a mais e novo para uma empresa, um estudo da Cisco de 2021 mostrou que as leis de privacidade são vistas de forma muito favorável em todo o mundo. Cerca de 79% das organizações dizem que estão tendo um impacto positivo com elas, e, apenas 5%, disseram que tiveram impacto negativo.

Website: https://wibson.io/pt

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.