As principais lideranças do PT saíram em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva após a Justiça Federal de Brasília aceitar mais uma denúncia contra Lula.

Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT, Lindbergh Farias, líder da bancada do PT no Senado e Carlos Zarattini, líder do partido na Câmara escreveram uma carta aberta em que denunciam a falta de provas e as intenções eleitorais por trás da nova denúncia.

Segundo eles, o “crime” de Lula foi ter governado o País pensando nos brasileiros mais pobres.

Confira abaixo a íntegra do documento:

Quanto mais o ex-presidente Lula confirma sua identificação com o povo brasileiro e sua força eleitoral, mais armações e arbitrariedades cometem contra ele. É o caso da falsa denúncia do MPF de Brasília, aceita hoje pelo juiz da 10a. Vara Federal, horas depois de nova pesquisa confirmar que Lula vence as eleições presidenciais contra qualquer candidato do campo golpista.

A Medida Provisória 471 foi editada em 2009, com aprovação unânime do Congresso Nacional, para prorrogar por 5 anos a vigência de incentivos fiscais criados no governo de Fernando Henrique Cardoso e que levaram a indústria automobilística a se instalar nas regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste.

Ao contrário do que alegam os acusadores de Lula, a medida não foi feita para beneficiar a empresa A, B ou C, mas para promover a industrialização e gerar dezenas de milhares de empregos de qualidade, como ocorreu nos polos automotivos de Camaçari (BA), Fortaleza, Goiana (PE), Manaus e Anápolis.

Não houve qualquer irregularidade ou ilicitude na edição da MP nem na conversão em lei pelo Congresso Nacional; nada que possa atingir o ex-presidente Lula e o companheiro Gilberto Carvalho, acusados sem base em fatos e muito menos em provas.

Gleisi Hoffmann – Presidenta nacional do PT
Lindbergh Farias – líder da bancada do PT no Senado Federal
Carlos Zarattini – líder do PT na Câmara dos Deputados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.