Pesquisas, perfumes e fedores

Pesquisas para investigar opinião popular são como perfumes. Se cheirados podem orientar na direção certa, se bebidos podem ser muito perigosos.

O alerta é do líder israelense Shimon Peres, morto no ano passado. A dica vale ouro para o momento brasileiro. Toda hora aparecem pesquisas mostrando o governo do Temer com só 3% de aprovação. Pesquisas mostrando a reprovação da pessoa e da administração. Estas fotografias do ambiente político são verdade, mas não são realidade.

Temer é aprovado/tolerado, é querido por grande parte da população, principalmente a chamada classe média e média-alta. Mas é uma aprovação que não ousa dizer o nome, é oculta aos métodos quantitativos. É uma reprovação que não verbaliza isso para os entrevistadores dos institutos de pesquisa. O governo atual, que comanda o país depois de um sofisticado golpe de estado, tem um carinho oculto de setores influentes. É como um pistoleiro contratado, que o contratante não quer nem saber quem é, só quer o trabalho feito e a parada dada são as tais reformas.

Alguns se sentem vaidosos por ter ajudando essa turma tomar o poder e festejam isso enquanto pedem mais uma garrafa de vinho de 500 reais. Mas convenhamos, não é muito charmoso em pleno século 21, sair por ai dizendo que aprova um governo que chegou ao poder da forma como chegou, que reúne algumas todas as figuras mais bandidas dos últimos 50 anos da política nacional, que está cumprindo uma agenda que responsabiliza a classe trabalhadora ativa e aposentada pelas mazelas do país.

Muitos se agarram em construções de narrativas para aliviar o peso de uma aprovação tão desconfortável. “Mas o PT quebrou o Brasil, temos que aturar esse daí mesmo sabendo que o esquema é pior…”, “Todos são ladrões, pelo menos estes não são comunistas…”, “O Brasil não tem jeito mesmo, é só corrupção, vamo que vamo!”‘”Tudo o que for contra o Lula a gente atura…” para sentir esse cheiro ou esse fedor é preciso usar técnicas mais qualitativas e outras modernas ferramentas de monitoramento da opinião.

Temer está forte, amado em semi-segredo, tem base popular silenciosa, tem suporte do grande empresariado, sabe jogar o jogo do submundo da relação parlamento-executivo-mercado. Temer é apenas um aspecto de uma onda forte que as pesquisas mais rasas ainda não conseguem definir.

Para ficar nos perfumes citados pelo israelense Peres, se a tivéssemos que criar um fragrância para o atual momento brasileiro, o nome poderia ser: VOCÊ NÃO VALE NADA MAS EU GOSTO É DE VOCÊ. FICA TEMER!!!!

Rabin Arafat

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.