PwC mostra que planejamento é precário para 98% das empresas

Em sua 2ª Edição, Pesquisa Global sobre Crises de 2021 da PwC, analisou o desempenho de quase três mil líderes empresariais no Brasil e no mundo, frente a vários desafios sociais, sanitários e político-econômicos durante a pandemia. O recorte realizado com 2.814 respondentes entre agosto de 2020 e janeiro de 2021 contou com a participação de 135 empresas nacionais, além de 2.679 líderes de outros países e apontou que 98% dessas empresas possuem planejamento precário.

Outro estudo da PwC feito em 2019 mostrava que 95% dos entrevistados esperavam por uma crise nos próximos anos. Durante a pandemia, 62% dos negócios brasileiros afirmaram que as restrições afetaram suas empresas de forma negativa, no mundo, essa taxa chegou a 33%.  

Como empresas enfrentaram a crise

Resiliência foi uma habilidade considerada por 84% delas para enfrentar essa crise, além de novos períodos socioeconomicamente críticos. De acordo com a pesquisa, plano e preparação foram precários para 98% delas, sendo que, quando a pandemia se alastrou, 30% delas não estavam preparadas para responder aos impactos da crise em seus negócios.

Segundo dados da pesquisa, duas etapas foram sugeridas para o enfrentamento de períodos de crise: planejamento e preparação, e eliminação de divisores de comunicação entre departamentos.

Muitos negócios apostaram em novas estratégias, ferramentas e processos de gestão para driblar a crise segundo a PwC. As estratégias adotadas pelos entrevistados também foram divididas em três estágios de enfrentamento: orientação por dados, senso de equipe e resiliência.

Próximos passos

“Muitas mudanças e oportunidades de expansão de negócios surgiram no mundo todo, não é à toa que 99% das empresas nacionais pretendem acelerar e investir em áreas e ações identificadas como grandes chances de expansão durante a pandemia, de acordo com a PwC”, completa Fernando Koshiba, diretor operacional da Consulting Blue.

A pesquisa completa afirma que ainda há muito a ser feito por cada postura de gestão empresarial. Para isso mapeou e concluiu alguns passos a serem dados para que empresas alcancem resultados melhores em próximas crises. 

Sendo assim, para empresas guiadas por dados: planejamento e preparação para crises, criação de estratégias de crise e resiliência para negócios. Para empresas estruturadas pela gestão de pessoas: revisão de planos de ação; implantação de comunicação de crise, simulação de exercícios de enfrentamento e investimento em engajamento e captação de stakeholders. Para empresas sólidas e antigas no mercado, com experiência no enfrentamento a crises, as dicas são: continuidade ao modelo de gestão, através de avaliações constantes e preparação para novas crises, além de análise de origem de crises anteriores.

Com o levantamento dos dados, a pesquisa propôs três ensinamentos para as próximas crises: organização de planos estratégicos de gestão de crise, integração de departamentos e promoção de resiliência.  

 Para saber mais: https://bit.ly/37P0CW5

Comentários estão fechados.